quarta-feira, 8 de abril de 2009

A Uma Passante (apud Baudelaire)


O trânsito absurdo
a multidão de autômatos
na Primeiro de Março
some
enquanto ela passa.

Tudo petrifica
só o vento se assanha
nos cabelos dela
que caminha firme
como se soubesse que
não há mais nada
além dela
pelas ruas cidade
nas retinas do poeta.

Um comentário:

CASA EM GUARATIBA / CAMPO GRANDE disse...

Não só na 1º de Março,mas por onde seu coração estiver.É lindo.