quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Da Morte e Sua Aproximação Silenciosa

Um baque surdo.
A freada.
Gira
gira no asfalto
gira no asfalto qual um tapete
gira no asfalto qual um tapete e pára.
Pára para nunca mais movimento
a não ser as únicas vibrações
dos nervos
a não ser os últimos tremores
nas orelhas.

A noite é fria
o asfalto é frio
o frio dentro de ti começando a
te tomar o corpo palmo a palmo.
A visão obscurecendo aos poucos e
tu não entendendo nada.
Tu não entende nada que não
seja dessa dor
(ou quem sabe nem mais isso).
Tua cabeça tombada no chão só
vê a rua noturna se estendendo
ao infinito
(e isso parece a morte).
O que tu tece nesse
último imaginar?

E tu não entende nada.
Tu não entende porque tudo teu
se volta para o esforço de movimentar
um corpo outrora ágil
mas que agora não eriça nem
um único pêlo
onde nada se ergue e nem
se erguerá mais...

Some a rua
silenciam os sons
esvaem-se os cheiros...
apaga-se o seu mundo inteiro
e eu findo também já que estou nele.

Como posso ainda estar aqui então
a semana inteira com você
no pensamento
vira-lata atropelado?

2 comentários:

Joana. disse...

Esse seu poema é um monumento.

Marcos Vidal disse...

O dentro do vira-lata
é o teu fora
transpassando o poema.

belíssimo!!